Domingo, Maio 28, 2017
pt-ptende
Inicio | Portugal | Entrevistas | A vida é (como) andar de bicicleta
A vida é (como) andar de bicicleta

A vida é (como) andar de bicicleta

No início era (provavelmente) a BMX. Para quem cresceu nos anos 80, e mesmo no início dos 90, a bicicleta não era algo consciente, era simplesmente uma coisa que fazia parte da vida – estava lá. Depois começa a puberdade e as saídas à noite, e depois ainda a universidade ou o trabalho. E as bicicletas ou caem no esquecimento ou reduzem-se a nichos e grupos especializados, como os praticantes de ciclismo ou btt.

Entretanto, por força das circunstâncias, o mundo mudou e as pessoas mudaram com ele. E as bicicletas surgiram outra vez, desta feita de forma consciente e premeditada. Como forma de poupar dinheiro, de fazer mais exercício ou de diminuir a pegada ambiental. Tornou-se uma forma de transporte alternativo para ir para o trabalho, e aos poucos foi-se imiscuindo na rotina de cada um até se tornar imprescindível para ir às compras, para sair e até mesmo para fazer férias.

Hoje em dia a utilização da bicicleta deixou de ser uma mera forma de transporte alternativo para se tornar uma afirmação cultural. Existe um verdadeiro movimento cultural construído à volta deste objecto. E é virtualmente impossível visitar o nosso país sem nos cruzarmos com estes cavaleiros do asfalto, sejam jovens ou idosos que a vida toda utilizaram a bicicleta como meio de locomoção. Uma visita à capital do nosso país prova que as duas rodas são uma constante, já que é raro o poste onde não se encontra uma bicicleta presa, sejam novas, customizadas ou de supermercado.

Existem actualmente as mais diversas vertentes da cultura ciclável disponíveis no nosso país. Destaca-se o movimento Sexta de Bicicleta, organizado pela MUBI (Associação Pela Mobilidade Urbana em Bicicleta), que já conta com mais de 1000 quilómetros pedalados pelos mais de 1000 participantes que todas as sextas-feiras utilizam a bicicleta para ir para o local de trabalho.

Para quem não quer ou não pode gastar muito numa bicicleta, existem lojas como a Rcicla, dedicadas à recuperação de bicicletas antigas, ou caso tenha jeito com as mãos, sites como o OLX ou o Ocasião também são uma opção. Depois há sempre a possibilidade de construir uma bicicleta personalizada na Roda Gira, ou concorrer para o cargo de estafeta de bicicleta na empresa Camisola Amarela.

Organizações espontâneas de utilizadores de bicicleta como a Matilha Cycle Crew costumam organizar piqueniques e passeios. Ou como a Massa Crítica, que todas as últimas sextas-feiras do mês organiza “bicicletadas” em várias cidades de norte a sul do país, de Braga a Faro. Para quem não se sente completamente à vontade a utilizar a bicicleta no contexto urbano, a loja Cenas A Pedal proporciona cursos de condução como forma de habituar o utilizador ao dia a dia em duas rodas.

Mas desenganem-se aqueles que pensam que andar de bicicleta necessita de equipamento específico de licra, e que é preciso de ter o aspecto de quem vai fazer a volta à França. O colectivo Lisbon Cycle Chich retrata no seu site vários casos de adeptos do pedal vestidos com roupas apropriados ao quotidiano. Da mesma forma, a marca de roupa H&M lançou recentemente, em parceria com a Brick Lane Bikes, uma linha de roupa orientada para os utilizadores urbanos de bicicleta.

As novidades e os adeptos da cultura da bicicleta já são tantas e tantos que existem publicações exclusivamente dedicadas ao lado social do ciclismo urbano, como é o caso do Jornal Pedal ou do B: Cultura da Bicicleta. Nas imortais palavras de Einstein: “A vida é como uma bicicleta, para ter equilíbrio é necessário manter o movimento.”

Entrevistas:

Nuno Sota

loja Roda Gira

www.bicirodagira.com

Bicicletas - Nuno Sota - Roda GiraComo começou tudo? (a utilização da bicicleta)

Começou há 5 anos. O meu antigo trabalho ficava a 4kms de casa e achei que seria a decisão mais inteligente para me deslocar no percurso diário.

O que é a bicicleta para si?

A bicicleta é uma forma divertida de nos deslocarmos. Tem a vantagem de ser mais flexível que todos os outros, paramos quando queremos, mudamos quando queremos e descansamos quando queremos.

 O que mudou com a introdução da bicicleta na sua vida?

Mudou sobretudo a forma como vivo a cidade e os outros intervenientes no trânsito. Faz-nos ver os 3 pontos de vista: automobilista (também conduzo um carro); ciclista e peão. Isto faz-nos ter uma perceção e um cuidado extra.

Em que circunstâncias não utiliza a bicicleta?

Sobretudo quando tenho de fazer percursos mais longos onde nem sempre a bicicleta tem a vantagem de ser mais rápida ou quando necessito de transportar mercadorias.

Bicicleta: Transporte ou activismo?

A bicicleta é sem duvida um meio de transporte, porém devido ao impacto de mudança que exerce nas cidades, acaba por ser uma forma de activismo. No entanto, se fizermos disto uma luta, também não aproveitamos a diversão e o relax que a bicicleta proporciona.

 

Ricardo Marques

utilizador diário de biciclet

Ricardo MarquesComo começou tudo? (a utilização da bicicleta)

Foi há tanto tempo que pouco me lembro. Recordo-me de um dia de sol e da ajuda do meu pai na co-pilotagem de selim. A partir daí a bicicleta esteve sempre presente.

 O que é a bicicleta para si?

Um conjunto de tubos com duas rodas, um par de pedais e mais ou menos tecnologia. Umas mais bonitas do que outras. As minhas nunca foram muito giras mas sempre as amei do fundo do coração.

O que mudou com a introdução da bicicleta na sua vida?

Nunca conheci outra realidade, a bicicleta fez sempre parte da minha vida, assumindo, pelo caminho, diferentes papéis e protagonismos. Há pouco mais de um ano, assumiu um papel importante no percurso casa-trabalho, suprimindo alguns dos transportes públicos que utilizava diariamente. Novos objectivos imediatos passam por reunir condições para transportar o meu filho de 1 ano e, sempre que possível, pedalar longas distâncias.

Em que circunstâncias não utiliza a bicicleta?

Todas aquelas que me obrigam à utilização do automóvel. Genericamente: viajar em família, transportar volumes ou pesos elevados e distâncias que o meu corpo não seja capaz de pagar a factura.

Bicicleta: Transporte ou activismo?

Prazer, conveniência, bem-estar. Tudo muito egoísta. Se isso servir de exemplo para alguém, maravilha.

Portugal tem condições cicláveis? Como poderiam ser melhoradas?

Portugal tem muitas realidades, umas mais amigas do utilizador da bicicleta do que outras. A minha realidade tem as condições suficientes para uma utilização sem problemas de maior. Claro que podia ser feito mais e melhor em termos de infraestruturas mas o verdadeiro desafio está na cabeça das pessoas. Na estrada situações de estupidez, inconsciência e falta de respeito haverão sempre de existir, só não acho que a probabilidade de levares com elas ou a dificuldade na sua gestão seja assim tão diferente por circulares de bicicleta, dentro de um carro, montado numa mota ou enquanto peão.

MUBI

Associação para a Mobilidade Urbana em Bicicleta

(http://mubi.pt)

Bicicletas - Mubi Associação para a Mobilidade Urbana em BicicletaComo começou tudo? 

Em 2009, diversos ciclistas que participavam regularmente na Massa Crítica decidiram formar a Associação como veículo para divulgar o uso da bicicleta como meio de transporte e trabalhar em prol de medidas efectivas que assegurem o seu uso de forma agradável, eficiente e responsável. A associação constituiu-se formalmente como um colectivo de direcção colegial, princípio que se mantém até hoje, estando sempre aberta à participação de novos ciclistas que partilhem dos mesmos objectivos e manifestem vontade de trabalhar para eles.

 

O que é a bicicleta para si?

Uma das melhores formas de nos deslocarmos, estando mais próximos e em contacto com as pessoas e com os espaços onde vivemos. Permite-nos descobrir melhor o nosso bairro/cidade. É o meio de transporte mais eficiente para curta/média distância em meio urbano. É o meio de transporte principal para deslocação na cidade, no movimento casa – trabalho, em lazer e em cicloturismo, em distâncias mais longas. É, também, um objeto de culto, de afirmação de um estilo de vida urbano, saudável, alternativo e cada vez mais divulgado e aceite na nossa sociedade. Representa uma estratégia de transporte sustentável, ecologicamente e economicamente, capaz igualmente de humanizar as cidades.

 

O que mudou com a introdução da bicicleta na sua vida?

Antes de mais, a bicicleta permite-nos poupar tempo, algo que nem sempre será intuitivo mas é a mais pura das verdades! Tornámo-nos mais saudáveis e com um bumbum mais firme! O stress provocado pela profissão desapareceu. Aumentámos o círculo de amigos. Tornámo-nos pessoas muito mais felizes, mais calmas. Criámos laços mais próximos com a nossa cidade, a nossa vizinhança e reequacionamos a percepção espacial do tecido urbano no qual nos inserimos. Andando de bicicleta pela cidade, interagimos mais com o espaço e com as pessoas. Finalmente, o estar na estrada como ciclista e lidar com os automobilistas, permitiu aumentar a nossa consciência nos momentos em que conduzimos um automóvel, adoptando uma condução mais protectora de peões e ciclistas.

 

Em que circunstâncias não utiliza a bicicleta?

Quando a distância a percorrer é considerável (acima de 20km) e não existe um outro meio de transporte disponível que permita fazer a inter-modalidade, como o metro, comboio ou outro. A verdade é que o prazer e eficiência que se tem são de tal forma, que estamos sempre a descobrir formas de ir mais além, fazendo o máximo de deslocações de bicicleta!

 

Bicicleta: Transporte ou activismo?

Transporte, é claro que sim, sempre. Activismo, feliz ou infelizmente também. As leis existentes já pressupõem igualdade entre modos de transporte, nomeadamente o Código da Estrada, onde os velocípedes são definidos como veículos com direito a andar nas estradas. Infelizmente, nesse diploma ainda se fazem discriminações entre modos de transporte, nomeadamente quanto à regra geral da prioridade e ao posicionamento na via, entre outras medidas que, na prática, colocam em causa a segurança e equidade de tratamento dos velocípedes. Até que se verifique na prática a igualdade de direitos da bicicleta com os outros modos de transporte, continuará a ser necessário trabalhar para isso.

 

Portugal tem condições cicláveis? Como poderiam ser melhoradas?

O acto de andar de bicicleta é extremamente simples e dos que mais se aproxima do andar a pé, a forma mais natural de locomoção. Por isso, claro que Portugal tem condições cicláveis, como tem qualquer país do mundo, independentemente das condicionantes geográficas, económicas, políticas, de infra-estrutura, etc… Agora, tendo em conta a evolução que se deu desde o final do séc. XIX e durante o século XX, em que o planeamento e construção que se fizeram no espaço público favoreceram cada vez mais o transporte motorizado, chegou-se a uma situação em que andar a pé ou de bicicleta perderam em competitividade e sobretudo em conforto e segurança. Quaisquer melhorias da mobilidade pedonal e ciclável só serão possíveis quando a nível político e técnico se assumir de novo a centralidade do andar a pé ou de bicicleta nas nossas cidades. Não se trata de fazer uma cruzada contra os carros, mas tão só e apenas reconhecer que fazer do escoamento de tráfego automóvel o critério principal para o ordenamento territorial é insustentável. Até ver, em Portugal ainda não atingimos esse patamar: as medidas de promoção da mobilidade pedonal e ciclável ainda são meros paliativos, sem que aparentemente haja coragem ou capacidade para mudar de paradigma. É urgente mudar isso, e é nesse sentido que a MUBi trabalha, com propostas concretas junto de governo e autarquias.

About the author

Hugo Filipe Lopes:Licenciatura em Sociologia, Pós-Graduação em Nutrição Clínica pela Faculdade Egas Moniz. Colaborador de várias publicações online, formador e terapeuta alimentar. Menções honrosas nos concursos da Casa da Imprensa e Lisboa à Letra.

Check Also

Investir na eficácia energética da habitação

e descarbonizar a mobilidade O ano de 2016 foi o mais quente desde que se …

Deixar uma resposta