Home | Comentário | „Operação bem sucedida – paciente morto…“
O sistema de saúde português em crise

„Operação bem sucedida – paciente morto…“
O sistema de saúde português em crise

O sistema de saúde português em crise

Sábado, dia 6 de julho de 2024.

Publicidade

Não há limites para a imaginação, pois não? Imagino o primeiro grande operador turístico europeu a cancelar todas as suas viagens para Portugal este ano, mostrando ao Governo que o sector do turismo age de forma responsável e cuida dos seus clientes – especialmente em caso de doença.

Já não recomendo viajar para Portugal, especialmente para o Algarve. Isto deve-se ao facto de o Governo – seja ele socialista ou conservador – ter de tal forma degradado o sistema de saúde português que as pessoas já não se atrevem a adoecer. Se vai viajar para Portugal, não deve, em circunstância alguma, adoecer em Portugal. Isso pode acabar mal.

Por isso, se tiver problemas de tensão arterial elevada, um pacemaker ou simplesmente gota – para além do facto de poder ficar doente por comer peixe fora de prazo e até contrair uma intoxicação alimentar – nunca deve confiar nas atraentes brochuras das agências de viagens, porque os hospitais de Portimão e Faro estão a trabalhar até ao limite. A miséria que eu – um jornalista que trabalha em Portugal há 34 anos – vivi nos últimos meses deste ano dificilmente pode ser descrita em palavras.

Uma vizinha cai durante o calor do dia e depois tem problemas de equilíbrio e tensão alta. Ao fim de uma hora, é recolhida em casa pelo INEM e por um paramédico de urgência, levada para o serviço de Urgências do Hospital de Portimão, é-lhe atada uma pulseira amarela no pulso e colocada no corredor – juntamente com outros 30 doentes de urgência. Passadas quatro horas, o primeiro doente cai da cadeira e deita-se a seus pés. Demora algum tempo até que uma enfermeira tenha tempo de ajudar o homem, obviamente muito doente, a levantar-se e a colocá-lo numa maca… Um outro vizinho, com uma infeção ocular, é enganado com uma pulseira verde no pulso e uma caixa de ibuprofeno 400 mg e antibióticos. Não havia nenhum oftalmologista disponível no momento…

Lembro-me de uma colega de Vila do Bispo que se queixava de dores no peito quando foi às Urgências do Hospital de Portimão. Tinha sofrido um ataque cardíaco e foi-lhe dada uma mão cheia de comprimidos. Na noite seguinte, morreu tranquilamente na sua própria cama, em casa. Um amigo de Monchique foi operado a uma hérnia em Portimão e também morreu. Outro conhecido sofreu um AVC. Quando deu entrada no hospital, foi colocado numa cadeira de rodas e ficou à espera durante horas…

Poder-se-ia pensar que os hospitais do Algarve estão assombrados por um fantasma, como se as coisas não estivessem a correr como planeado. O facto é que existe uma falta chocante de pessoal e de financiamento por parte dos políticos. E é o sistema degradado que está a ser utilizado. Muitos enfermeiros não só estão a trabalhar sob pressão de tempo, como também com o medo a pairar sobre os seus pescoços.

Por falar em pescoços… a neurocirurgia no hospital de Faro está a ser alvo de um escrutínio especial: quem vai ser operado à coluna vertebral deve sempre obter uma segunda opinião de um médico independente antes da operação. É perfeitamente possível chegar ao hospital com os seus próprios pés, ser operado no dia seguinte e depois ter de usar uma cadeira de rodas para se deslocar por estar paralisado.

O estrago que é feito num hospital pode depois ser reparado no centro de reabilitação, em São Brás de Alportel. Os custos que esta operação mal feita acarreta para o Estado não cabem numa mesa de Natal. Nove meses de hospitalização, fisioterapia dispendiosa, transportes ambulatórios, pensões de invalidez, etc.. E o cirurgião é autorizado a continuar a fazer as suas maldades no sistema de saúde do Estado. Os nomes não devem ser mencionados aqui.

Parabéns à Democracia em Portugal. Cumpriste 50 primaveras este ano. Na medicina, porém, ainda se trabalha como na Idade Média, ou melhor, como o Professor Egas Moniz, que inventou a lobotomia: a separação das vias neurais entre o tálamo e o lobo frontal sem sentido nem razão.

O sistema de saúde português está muito longe de servir adequadamente as pessoas que adoecem ou estão doentes, as excepções comprovam a regra. Por isso, só posso avisar todos os visitantes de Portugal para não adoecerem em Portugal. É melhor ficarem na Alemanha, Inglaterra e França e, idealmente, passarem lá as suas férias até que os governos em Portugal consigam resolver os problemas.

Theobald Tiger

Traduções: Dina Adão, John Elliot, Patrícia Lara
Photos:Theobald Tiger

Check Also

Acácia australiana conquista Portugal
A desesperança do trabalho do ICNF para eliminar as espécies arbóreas invasoras

Sábado, dia 20 de julho de 2024. É preciso amar a natureza para a poder …