Sexta-feira, Abril 20, 2018
pt-ptende
Inicio | Portugal | Entrevistas

Entrevistas

Temos que nos preparar para um racionamento da água?

Teresa Fernandes, responsável pela Comunicação e Educação Ambiental da Águas do Algarve SA., empresa responsável pelo abastecimento de água na região, admite a possibilidade de escassez de água a médio, longo prazo mas, mesmo que não chova, garante que até final do ano não vai faltar água à população. A água está tornar-se uma espécie de ouro azul? Em meu entender a água é mais importante que o ouro, em qualquer parte do mundo, porque é insubstituível. Não conseguimos viver sem água. Ela é fundamental para a sobrevivência de todo o ser humano. Se eu não tiver petróleo, utilizo o …

Leia mais »
water

A água daqui, que falta ali…

ECO123 falou com a Administração da Região Hidrográfica do Algarve da Agência Portuguesa do Ambiente, em Faro. Há cinco serviços centrais em Portugal, os do Algarve, e os do Alentejo, Tejo, região norte e região centro. Os serviços de Faro são responsáveis pelo Algarve. O Ministério do Ambiente tem cinco objetivos estratégicos: Aumentar o nível de proteção, recuperação e valorização dos ecossistemas; aumentar o nível de proteção de pessoas e bens face a situações de risco; melhorar o conhecimento e a informação sobre o ambiente; reforçar a participação pública e assegurar o envolvimento das instituições; garantir a excelência no desempenho …

Leia mais »
poluição no rio tejo

Cor de café com leite

Pouca coisa na vida é preta e branca. No entanto, o rio Tejo dos nossos dias é-o. É preto num lado e branco no outro. Água transparente ao lado de água suja. Esta separação das águas a meio do rio não se deve a uma força maior no sentido clássico, divino do termo, mas sim no sentido bem mais contemporâneo: a poluição do rio Tejo deve-se às grandes indústrias de papel situadas à sua beira, em Vila Velha de Rodão. Até há pouco tempo ninguém teve a coragem de apontar o dedo aos grandes tubos que lançam água poluída a …

Leia mais »
agua de monchique

Atingimos uma produção de 74 milhões de litros

A água de Monchique é conhecida desde a presença romana na Península Ibérica. Com propriedades únicas, esta água de ‘sabor estranho’, como tem vindo a ser classificada por vários consumidores desde o inicio da sua comercialização, tornou-se recentemente sinónimo de qualidade e de bem estar. Depois de atravessar um período delicado em termos financeiros, a Sociedade da Água de Monchique, que detinha a concessão de exploração desde 1992, foi adquirida em 2010 pela WaterBunkers SGPS SA, sediada em Braga. Rapidamente passou de marca branca a uma espécie de produto gourmet. Foi também uma das últimas marcas resistentes às garrafas de …

Leia mais »
floresta autoctone

A natureza está viva!

Floresta autóctone Recentemente, uma página web ligada a acontecimentos atuais despertou a minha curiosidade jornalística. Tenho que acrescentar aqui que já só recomendo páginas web cujos autores se identificam com nome e endereço. Por princípio já não vejo idiotices anónimas. E faço o mesmo no caso dos telefonemas. Não dou atenção e não perco tempo com quem me telefona de um número anónimo. Por os impulsionadores desta página web agirem com transparência, telefonei-lhes e perguntei se estariam dispostos a falar comigo sobre qual a motivação que os levou a publicar essa página. Combinámos um almoço no Porto. Portanto comprei um …

Leia mais »
As escolas pertencem à comunidade

As escolas pertencem à comunidade

Em Portugal, José Pacheco, 63 anos de idade, é uma figura emblemática do ensino alternativo. Esse senhor, de estatura pequena, brilho no olhar, grisalho e de bigode, faz lembrar um típico e simpático professor. Porém, as suas palavras são radicais: “Hoje em dia temos pessoas do século 21, a serem formadas por professores do século 20 com métodos do século 19.” Na sua opinião, turmas repartidas por idades, exames e avaliações, não têm fundamentação científica nem jurídica. E ele sabe bem que as coisas poderiam funcionar de outra forma. Há quase quarenta anos, quando ainda era recém-formado, juntamente com dois …

Leia mais »
ESCOLA JARDIM DO MONTE

A Música é tão importante como a Matemática

Recentemente, uma campanha de crowdfunding despertou a minha curiosidade jornalística. Era uma escola a querer realizar um projeto educativo com recurso ao financiamento coletivo. Portanto decidi investir 50 euros em nome da editora na construção de uma nova sala de aulas para o 9º ano da escola Waldorf em São João dos Montes, perto de Vila Franca de Xira. A concretização do projeto era para custar 12.500 EUR, e realmente por fim conseguiram angariar esse valor. E como nós na ECO123 só contamos histórias de sucesso, planeei uma visita a essa escola no nosso carro elétrico, um Renault Zoe. Iniciei …

Leia mais »
Peregrino Algarvio

Cada quilómetro tem uma história

A história de José Júlio Brito começou em 2010 no dia em que saiu de sua casa, em Vila Real de Santo António, colocou a mochila às costas e partiu à procura de respostas numa busca interior. A intenção inicial era a de caminhar sem rumo, para enfrentar as autolimitações impostas a si próprio e fugir ao corrupio do dia a dia, mas depois de dez dias a caminhar o seu percurso viria a terminar em Fátima. Pelo caminho apelidaram-no de ‘Peregrino Algarvio’ e cada quilómetro trouxe uma história para contar. Nos últimos sete anos caminhou no total mais de …

Leia mais »
Percorrer Europa Ocidental

Oh Europa

E certa manhã tinha chegado o momento da partida, conta-nos Jürgen Kahlisch. Numa manhã fresca de abril deixa o apartamento dos seus amigos em Berlim fechando a porta atrás de si. O caminhante respira fundo e tenta afastar do corpo a geada que caiu durante a noite. Tem pela frente seis meses e 4000 km para fazer o trajeto de Noroeste a Sudoeste. Percorrer a Europa Ocidental é um sonho antigo de Jürgen Kahlisch, e é esse plano que se concretiza agora, com cada um dos seus passos. Estamos em abril de 2007. Atravessar o Rio Harz, o Rio Rhön, …

Leia mais »
Quebrar tabus e barreiras

Quebrar tabus e barreiras

Percorreram 3.500 km entre Lisboa e Atenas. De que forma? Saímos da cidade de Lisboa com a mochila às costas. Deslocamo-nos a pé e através de boleias. Qual foi a rota que traçaram? Apanhámos um ferry de Lisboa para Almada. A partir daí começámos a caminhar rumo a Évora e também a apanhar boleias. Seguiu-se Madrid e depois alterámos a nossa rota e rumamos a San Sebastian. Quantos dias precisaram no total para chegar à Grécia? Partimos no dia 9 de julho e tínhamos como meta estar em Atenas a 15 de agosto, data combinada com o campo de voluntariado …

Leia mais »