Domingo, Agosto 25, 2019
pt-ptende
Inicio | Portugal | Reportagem

Reportagem

Kyoto

Kyoto

Quer saber quanto CO2 lança para a atmosfera durante um ano? Não? Prefere não saber? Então pertence àquela maioria que não tem mesmo tempo, ou que evoca não ter tempo, ou que diz viajar tanto de avião que, por isso, nem fará sentido participar neste teste. Está em boa companhia. A maior parte dos leitores – a maior parte das pessoas na nossa sociedade – a maior parte dos seres humanos – não é muito corajosa quando se trata de enfrentar o Futuro. Quase todas as pessoas com que falei, e foram algumas centenas, tinham mais que fazer do que …

Leia mais »
O sonho de uma aldeia solar

O sonho de uma aldeia solar

A lei limita os passos. Mas a mudança está em marcha, e as comunidades querem estar na linha da frente da transição energética. Na freguesia de São Luís pode estar a nascer a primeira comunidade de energias renováveis em Portugal. O sol de início de verão brilha sobre seis novos painéis solares, nos telhados de moradores de São Luís, em Odemira. Por esta pacata aldeia do sudoeste, o slogan “Power to the people!” anda a ser tomado à letra. “Vivemos num mercado muito paternalista. Vai haver uma grande mudança na distribuição de energia elétrica em Portugal. São Luís quer estar …

Leia mais »
comunidades sustentaveis_02

Comunidades sustentáveis em festa

No sábado, 21 de setembro, os residentes da ecovila de Cloughjordan, Co Tipperary, na Irlanda, e a comunidade local em geral, reunir-se-ão no Festival Anual da Maçã para celebrar a colheita, celebrar aqueles que cuidam dos pomares, que trabalham a terra e que produzem comida deliciosa. Chegarão com instrumentos musicais, sacos de frutas para sumos e bolos caseiros – vai haver uma dura competição pelo prémio para a melhor tarte de maçã! As atividades incluem uma visita guiada às 70 variedades de maçã nativas da ecovila, uma visita à produção agrícola apoiada pela comunidade (CSA), que alimenta mais de 100 …

Leia mais »
mobilidade

Obrigar a parar e repensar?

Este ano, foi acordada uma tremenda expansão dos aeroportos e do tráfego aéreo em Lisboa. Os transportes – e mais concretamente a aviação – são o setor que mais contribui para o efeito de estufa. Mas vivemos no limiar de uma transformação. É de avião que nos queremos deslocar amanhã? Uma história contada entre a Suécia e Lisboa. Alexandre Seguro tem 17 anos. No dia 25 de julho, senta-se a fazer o exame nacional de matemática, o seu último desafio no ensino secundário. Quatro dias depois, vai sentar-se como participante na Conferência Mundial pela Paz, em Estocolmo, Suécia. Para lá …

Leia mais »
Beacon

BEACON, um farol na escuridão?

Terão os jornalistas uma postura neutra? Quem escolhe os temas que desenvolvem e quem decide a forma como são apresentados? Será que retratam a realidade e a descrevem pelas suas palavras – como quem veste um manequim numa montra? Que histórias são essas que os jornalistas escrevem? Que influência tem a intuição nesse trabalho? Qual a perspectiva dos jornalistas quando observam e perguntam, ouvem e tocam, sentem o sabor e o cheiro para depois contar a sua história? Que imagens escolhem? colocar-se a si e ao seu trabalho em questão também coloca em questão o sentido que tem o que …

Leia mais »
jardim botânico da ECO123

Está a nascer um oásis nas terras queimadas de Monchique

O projeto paisagístico prevê a plantação de 1.000 espécies diferentes de árvores e arbustos autóctones no Barranco do Esgravatadouro. Entre o dia 30 de dezembro e hoje foram plantadas as primeiras 50 jovens árvores: várias espécies de carvalhos (quercus canariensis, quercus ilex, entre outras), sobreiros, freixos (fraxinus excelsior), castanheiros, nogueiras, faias, salgueiros, tílias, bordos, bétulas, ulmeiros, magnólias, camélias e também alfarrobeiras, loureiros e pimenteiras. O terreno está rigorosamente cartografado e as temáticas bem definidas: várias ilhas com árvores em diversos níveis vão estar interligadas por caminhos. As primeiras plantações foram feitas ao longo do ribeiro, que nasce no terreno da …

Leia mais »
O que é uma cidade inteligente?

O que é uma cidade inteligente?

Estamos em Évora, no centro histórico da cidade, e no ano de 2013. Mais de 90% dos edifícios têm uma idade superior a 40 anos. Dos alojamentos, 2.424 correspondem a residência habitual (56%) 739 a residência segundária (17%) e 1.163 casas estão vagas (26,8%). Existe uma evolução negativa. Desde 1930, na altura do pico, quando residiam 22.446 cidadãos no centro histórico, e até 2011 (último Censo, com apenas 4.719 cidadãos), o núcleo histórico perdeu 80% dos seus habitantes. O processo de redução populacional começou em 1940 e com um grande declínio. O índice de envelhecimento, o peso da população com …

Leia mais »
monchique 2018

Monchique 2018

O que perdeu – ganhou – com o fogo? O Centro de Retiros Karuna foi totalmente devastado. Basicamente, todas as estruturas que lá existiam desapareceram. A floresta desapareceu. Eu sinto que um fogo, quando vem de uma forma natural, não pode devastar tanto. Se olharmos a 360 graus, Karuna está rodeada de eucaliptos por todo o lado. Nós temos mais ou menos três hectares. Tínhamos limpo tudo, não havia eucaliptos. E todos os medronheiros tinham sido podados, tinha-se limpo o mato à volta dos medronheiros. Então não havia motivo para o fogo devastar quatro casas bastante grandes, que constituíam o …

Leia mais »
eucalyptus-trees

Onde está enterrado o tesouro?

Vamos caçar um tesouro.O tesouro está na floresta. Sabemos que, enquanto o sol nasce, as árvores começam a trabalhar. Transformam o dióxido de carbono (CO²) em oxigénio, o elixir da vida. Primeira pergunta Onde está enterrado o tesouro? Tenha em mente que na Península Ibérica 1.5 milhões de hectares são floresta de eucalipto, principalmente para serem transformados em papel de escritório. Em Portugal (92.000 km2) temos eucalipto plantado sobre um milhão de hectares. Isso são 10.000 km2, ou seja, 12% do território nacional. Para vizualizar o que isso significa, imagine uma linha a ligar Lisboa a Montemor-o-Novo, Abrantes e Leiria. …

Leia mais »
ncêndio Monchique

A via dos caminhos tórridos

Por que razão, de quatro em quatro anos, votamos nos políticos do PS e do PSD, para os ver no Parlamento, alternadamente, em lutas de poder? E por que razão é que esse mesmo Parlamento aprova um Governo de ministros e secretários de Estado que mais não fazem senão pensar em como garantir os seus altos cargos durante o máximo de tempo, agarrados ao poder, às suas poltronas? Não terão eles a obrigação de tratar bem o país? Não terão eles feito o seu juramento? Não será sua obrigação servir o país com decisões inteligentes? E não deveriam eles garantir …

Leia mais »