Home | Portugal | Entrevistas | Coopérnico – Assembleias e comemoração
de António Veiga

Coopérnico – Assembleias e comemoração
de António Veiga

de António Veiga

Sábado, dia 9 de decembro de 2023.

No sábado, 25 de novembro, a Cooperativa Coopérnico realizou a sua assembleia eleitoral para eleição dos corpos sociais, em Lisboa, para os próximos quatro anos e, logo a seguir, uma Assembleia Geral Extraordinária, para discussão e aprovação do plano de atividades e orçamento para 2024. Este dia foi, também, particularmente significativo na medida em que se comemoravam os dez anos de vida da cooperativa.

Após o ato eleitoral, quando os participantes se deslocaram até ao auditório, houve um momento particularmente emotivo, com a despedida do presidente da direção que se encontra no cargo desde o início, Nuno Brito Jorge. Pelo facto de viver há três anos em Barcelona, tinha estado nos últimos anos a fazer a gestão da cooperativa à distância. Este afastamento teve origem em razões profissionais, mas diria que também pessoais, dado que a esposa é catalã. Esta dificuldade operacional, juntamente com a sua retirada, embora se mantenha num conselho consultivo, levou-o a recordar e homenagear todos aqueles que mais se dedicaram à Coopérnico nos seus dez anos de vida. Conforme se pôde constatar, o grupo fundador permanece coeso e incorporou ao longo do tempo mais pessoas empenhadas.

A Coopérnico tem, neste momento, onze pessoas a trabalhar em vários departamentos, embora a maioria também acumule com a comercialização, tendo em conta o momento do mercado em que muitas pessoas aderiram à cooperativa, devido ao preço praticado, sem sequer conhecer os princípios orientadores, sendo nesta Assembleia frisado que uma das missões urgentes é tornar esses cooperantes meramente económicos em cooperantes empenhados. Foi ainda focado que, apesar da atividade crescente da Coopérnico, 70% dos custos com os recursos humanos são suportados por Fundos Comunitários. De um modo geral, constata-se que a cooperativa está numa fase de diversificação e crescimento, em que o trabalho de procura de novos cooperantes é árduo pois verifica-se um rácio de 8/1 entre propostas apresentadas e contratos celebrados.

Antes do início dos trabalhos foi possível falar com Miguel Almeida, membro fundador da Coopérnico e que tem acompanhado todo o percurso da cooperativa.

ECO123: Qual foi o momento mais difícil dos dez anos da Coopérnico?

Miguel Almeida: Foi, sem dúvida, em outubro de 2021, quando o preço da energia subiu de modo significativo para nós e, por outro lado, tínhamos contratos de valor fixo com os clientes, o que nos levou até a pedir aos clientes que desistissem de nós, pois não conseguiríamos suportar os custos. Esta incerteza de saber se suportávamos o embate durou algumas semanas.

 

ECO123: O que pensa do decreto-lei 162/2019? (Lei que estabelece o regime jurídico do autoconsumo tendo estabelecido a modalidade de autoconsumo coletivo e as comunidades de energia renovável)?

Miguel Almeida: A lei corresponde à transposição para a lei portuguesa de regulamentos da Comissão Europeia. Para mim o problema principal da lei prende-se sobretudo com o modo como é feita a leitura dos consumos partilhados, em que a especificação prevista na lei não permite separar por consumidor e consumo coletivo, de modo suficientemente detalhado, fazendo com que, nalguns casos, períodos de não consumo sejam cobrados, prejudicando alguns consumidores em detrimento de outros.

Uwe Heitkamp (64)

jornalista de televisão formado, autor de livros e botânico por hobby, pai de dois filhos adultos, conhece Portugal há 30 anos, fundador da ECO123.
Traduções: Dina Adão, John Elliot, Rudolfo Martins, Kathleen Becker, Patrícia Lara
Photos:

 

Check Also

Ajudar cães e gatos?

Sábado, dia 24 de fevereiro de 2024. Dada a atual situação, adiamos para a próxima …