Home | Ecologia | Natureza | Uma nova e pequena floresta em Algoz

Uma nova e pequena floresta em Algoz

Sábado, dia 5 de agosto de 2023.

Para variar, algo completamente diferente. No passado mês de março, a bióloga Sónia Soares realizou, no seu próprio jardim, um sonho há muito acalentado. Numa área de 100 m² (5m x 20m), plantou uma nova floresta, jovem e diversificada, com 19 espécies diferentes de árvores e plantas. Durante uma visita a Algoz, a ECO123 perguntou-lhe que motivos a levaram até aqui, que método seguiu e que custos teve.

A plantação de pequenas florestas do tamanho de um campo de ténis, nas cidades e vilas, poderá ser o futuro das florestas nas zonas urbanas, disse uma vez o botânico japonês, Professor Akira Miyawaki (1928-2021), aos seus alunos do Instituto de Ciência e Tecnologia do Ambiente da Universidade Estatal de Yokohama. A preparação direcionada do solo, com composto e Terra Preta, e uma seleção de árvores nativas, plantadas densamente, permitem criar, em poucos anos, pequenos biótopos de elevada biodiversidade em áreas urbanas. Os estudantes e a literatura disponível acerca da filosofia botânica de Miyawaki levaram esta ideia para o mundo. Bem como o Prémio Planeta Azul, no valor de 320 mil euros, que foi atribuído a Akira Miyawaki, em 2006. Este prémio é atribuído a botânicos que tenham desenvolvido abordagens significativas para a resolução de problemas ambientais globais. É considerado o mais importante prémio internacional para pioneiros na investigação sobre sustentabilidade.

Nos Países Baixos, desde 2015 já foram plantados mais de 100 bosques Miyawaki. Em Chelsea, Londres, foi também plantado um bosque Miyawaki. Na Alemanha, o primeiro bosque deste tipo surgiu em 2020, perto de Frankfurt a.M. E também em Nova Deli, em Paris… e agora, depois de Monchique, no Algarve, também em Algoz (Silves).

Após os seus estudos em Évora e em Lisboa, Sónia Soares fez o mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental na FCUL. “Plantei a floresta para os meus dois filhos pequenos”, conta à ECO123 durante a visita. Sobreiros, alfarrobeiras, pinheiros e inúmeras outras espécies, também o medronheiro – tudo árvores e plantas nativas. Há três pequenas árvores por metro quadrado. Três árvores pequenas? Mais tarde, depois de se aclimatarem, as raízes vão estimular-se mutuamente, mas também apoiar-se entre si. Um dia, será uma floresta muito densa, húmida e, devido à sua diversidade, muito difícil de incendiar.

Um bosque Miyawaki plantado nas Caldas de Monchique, em 2004, escapou ileso do incêndio florestal de 2018. Um claro sinal, não? A bióloga, que tem todo o gosto em aconselhar os interessados, avalia o custo de um bosque de 100m2 (incluindo todos os custos) em cerca de 3.200 euros. Certamente uma boa prenda de aniversário para os filhos (aprender sobre a natureza) ou um bom investimento para os netos…

+ informações: www.florestanativa.pt

Uwe Heitkamp (62)

jornalista de televisão formado, autor de livros e botânico por hobby, pai de dois filhos adultos, conhece Portugal há 30 anos, fundador da ECO123.
Traduções: Dina Adão, John Elliot, Ruth Correia, Patrícia Lara, Kathleen Becker
Photos:
dpa, Uwe Heitkamp

Check Also

Regresso ao futuro?

Sábado, dia 25 de maio de 2024. Viver no calor da crise climática: quando a …