Quarta-feira, Junho 28, 2017
pt-ptende
Inicio | Portugal | Entrevistas | Gerd Zabel
Gerhard Zabel

Gerd Zabel

O Doutor Gerd Zabel é agricultor e cientista botânico. Alemão, tem 69 anos e vive em Silves. É dono da «Quinta da Figueirinha», uma exploração agrícola biológica com 30 hectares de terreno e oliveiras, figueiras, amendoeiras e alfarrobeiras. Experimenta com árvores poucos inflamáveis, no âmbito de um projecto financiado pela UE. A Quinta tem plantas agro-florestais resistentes à seca para manter as pastagens e controlar a erosão, e árvores, arbustos e cobertura do solo resistentes ao fogo para prevenir incêndios florestais. A escolha de plantas é essencial e requer uma série de cuidados e informação sobre as espécies, variedades e origens. Características como um extenso sistema de raízes – para um melhoramento do solo – e capacidades de fixação de nitrato são também muito importantes.

Após residir na região do Sahel, em África, e no Sul de Portugal, Zabel sabe quão importante é melhorar o conhecimento das variedades de árvores e espécies de arbustos apropriadas ao combate à desertificação. As experiências através de pequenos jardins botânicos temáticos, que podem servir como jardins de demonstração para estudantes e profissionais, provam que tal é possível.

ECO123: Como acabamos com os incêndios florestais em Portugal?
Gerd Zabel: Vivo há 31 anos em Portugal e testemunhei muitos incêndios. É para mim muito claro que o essencial, mais do que o combate directo com os bombeiros e helicópteros, é a prevenção florestal contra incêndios. Existem várias possibilidades de actuar: fazer um levantamento e análise das diferentes árvores que existem em Portugal e no Algarve. Existem muitos parques e jardins botânicos com mais de 1.500 espécies de árvores e arbustos. Neste momento só são conhecidas à volta de 40 árvores e são normalmente replantadas depois dos fogos. Precisamos estabelecer pequenos jardins botânicos ou agro-florestais onde possamos introduzir as árvores que não ardem. Temos espécies que podem sustentar temperaturas muito elevadas – desde 600 e 800 até 1.000 graus celsius. É muito importante selecionar e importar estas árvores desconhecidas e implementá-las em vários pontos no Algarve e no país. Ver quais são as árvores que trazem melhorias para cada região. Por exemplo, os ciprestes são plantas dificilmente inflamáveis, podendo ser benéficas para a prevenção de fogos florestais. Depois, precisamos construir uma rede da plantações. Aqui na Quinta, por exemplo, tenho árvores com uma idade entre 600 e mil anos: alfarrobeiras e oliveiras. Existem árvores de grande beleza…

 

 

 

 

 

 

Check Also

Investir na eficácia energética da habitação

e descarbonizar a mobilidade O ano de 2016 foi o mais quente desde que se …

Deixar uma resposta