Quinta-feira, Julho 19, 2018
pt-ptende
Inicio | Artes e Ofícios | “Ser artesão é uma profissão com futuro”

“Ser artesão é uma profissão com futuro”

Barro, palma, cana, verga, cortiça, madeira e linho, palavras da terra, que falam das raízes de um povo e transformam vidas. Acrescentam-lhe valor. As artes estão a morrer, mas ainda há pessoas que unem esforços para que este coração continue a bater. É desta matéria que é feito o projeto Técnicas Ancestrais, Soluções Atuais (TASA)!

Designers, marketeers e artesãos trabalham em torno de um bem comum: a arte com as mãos. Mas a peça de artesanato está longe do seu papel decorativo ou massificado e transformou-se em algo útil, de uso quotidiano, e esteticamente belo.

Ser artesão pode ser uma profissão com futuro. É ecológica, cultural, sentimental e criativa. “Temos artesãos que usam cestos dos seus avós. Uma peça de artesanato pode durar uma vida!”, diz João Ministro, responsável pelo TASA.

“Os 47 artesãos a trabalhar connosco têm, em média, 63 anos. Em algumas artes a média ronda os 72 anos e noutras resta uma pessoa”, refere. “Só conseguiremos salvar e recuperar estas artes se as tornarmos sustentáveis. E isso significa fazer do artesanato uma profissão com futuro. Esse é o grande desígnio do TASA. Inovação, design e criatividade são ferramentas que atribuem novo valor e qualidade ao artesanato. Não conseguiremos atrair ninguém com artesãos a ganharem um euro à hora”, adverte.

É preciso formar jovens. “A arte da latoaria, quase extinta, foi recuperada por um jovem de Monchique que fez um curso connosco, e que já se encontra a trabalhar como latoeiro”, cita, como exemplo do que pretende com o curso intensivo de cinco meses que o TASA, em Loulé, recebe até junho. O programa “Artesãos do Século XXI” envolve seis jovens vindos de todo o país para aprender “A arte da cestaria em palma” com António Rodriguez, natural de Cádiz e com um trabalho “impressionante, pela originalidade e pela qualidade”. É, para além de investigador, mestre da arte da palma e procura, através de novas técnicas e design, dar mais contemporaneidade às suas peças.

projeto tasa
projeto tasa
projeto tasa

O trabalho junto de escolas é outra das valências. João Ministro recorda o desafio lançado aos alunos do Colégio Internacional de Vilamoura para desenharem um padrão que decora hoje uma das peças expostas na loja: a tarrina. Ou ainda o trabalho desenvolvido o ano passado com 80 alunos na oficina de latoaria de Messines.

O TASA vive da venda dos produtos (dentro e fora do país), de experiências criativas, programas educativos e consultorias.

Surgiu em 2010, através da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) Algarve e é, desde 2013, gerido pela Proactivetur – Turismo Responsável (sem custos para a entidade promotora).
O prémio de criatividade conquistado no projeto SHAPES, em 2015, gerido em Portugal pela Universidade do Algarve através da sua Divisão de Empreendedorismo
e Transferência de Tecnologia (CRIA), levou o TASA a contactos valiosos ao nível da exportação em três países europeus: França, Itália e Espanha. Possui lojas no Algarve, Porto e Lisboa e foi recentemente nomeado para o Prémio Mercúrio, da Associação Nacional do Comércio, ao nível das Lojas com Tradição.

Dina Adão

Check Also

Mais um Festival

Mais um Festival

Quem tem uma ideia original ou quer chamar a atenção do público para um determinado …

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.