Home | Short Stories | Nº 82 – A experiência torna-nos mais fortes…
com galeria de fotos

Nº 82 – A experiência torna-nos mais fortes…
com galeria de fotos

Faro, Sábado 10 de Abril de 2021

A reconstrução, depois da destruição por um incêndio, começa pela remoção dos escombros. Tem que ser recolhido o lixo que restou daquilo que fazia parte da vida humana: plásticos derretidos, vidros partidos, peças metálicas torcidas. Soube que será reconstruído o único edifício que existia na Ilha Deserta, e que ardeu completamente no passado dia 2 de março: o restaurante Estaminé. Pelos vistos, ficaram resolvidas as questões que o proprietário, José Vargas, tinha com a companhia de seguros. Para manter a integração no meio natural e sublinhar a preocupação ecológica, a construção voltará a ser feita de madeira e será autossuficiente energeticamente, graças à energia solar. Serão instaladas seis centrais com sistema seguidor solar, com 18 módulos fotovoltaicos cada, aos quais acrescem mais 54 módulos sobre o telhado. Futuramente, deixar-se-á de cozinhar com gás para passar a cozinhar-se com energia solar.

Nesta ilha pertencente ao concelho de Faro reinaria o silêncio, não fosse o ruído dos aviões que a sobrevoam a toda a hora com milhões de turistas no seu percurso para a aterrizagem no Aeroporto de Faro. A quarentena, nestes tempos de pandemia, fez bem à vida selvagem na ilha. Ali, na primavera, nidificam muitas aves selvagens. Está interdita a residência permanente aos cidadãos. Foi permitida, há já muitos anos, apenas uma construção: a de uma unidade de restauração. A sua exclusividade gera, contudo, inveja e rumores sobre possíveis influências e corrupção…

Esta semana, no local onde durante muitos anos esteve o restaurante Estaminé, irão iniciar-se os trabalhos de remoção dos escombros. Foi para isso que a equipa da empresa “Animaris”, que irá gerir o projeto, voltou para a ilha. É um reinício que, simbolicamente, reúne toda a equipa, para que a mágoa dê lugar à esperança.

A empresa tem 33 trabalhadores. Foi também por eles que José Vargas e a sua família decidiram não desistir e procurar uma solução: a reconstrução. Depois de recolhido o que ficou sobre a areia irão iniciar a reconstrução do novo “Estaminé”.

A estrutura será semelhante à anterior: um restaurante autossuficiente, que respeita a natureza envolvente, protegendo-a e integrando-se nela. Têm como objetivo conseguir reabrir em julho deste ano. Esperemos que sim…

Neste contexto, a ECO123 não pode esquecer que, na região montanhosa, a 80 km de distância, as vítimas do grande incêndio de Monchique estão, há três anos, à espera que o Governo de António Costa, conforme prometeu, aprove as ajudas para a reconstrução das casas destruídas pelo fogo. Também exigem que as florestas ardidas – maioritariamente monoculturas de eucalipto – sejam reflorestadas com espécies autóctones, criando uma floresta diversa e sustentável, e que as espécies invasivas sejam controladas. E, como não há duas sem três, os lesados também aguardam que os tribunais decidam, finalmente, a questão das indemnizações devidas pelo presumível causador do incêndio, a EDP-Distribuição (linhas de alta tensão).

É com água que se apaga o fogo. O restaurante Estaminé fará bem em não esquecer de incluir nesta reconstrução uma rede de aspersores e uma cisterna. Mais vale estar prevenido do que voltar a enfrentar as chamas de mãos vazias, sem nada poder fazer. Não há bombeiros neste mundo que consigam combater um fogo sem ter água disponível.

This slideshow requires JavaScript.

Uwe Heitkamp (60)

jornalista de televisão formado, autor de livros e botânico por hobby, pai de dois filhos adultos, conhece Portugal há 30 anos, fundador da ECO123.
Traduções: Dina Adão, Rudolfo Martins, Kathleen Becker
Fotos: Uwe Heitkamp

Check Also

Nº 87 – Caminhadas em Portugal

Sábado, dia 15 de maio de 2021 Viagens amigas do ambiente beneficiam todos. Para muitos, …

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.