Home | Short Stories | O Observátorio Orbital do Carbono 2 (OCO-2)

O Observátorio Orbital do Carbono 2 (OCO-2)

Sábado, dia 18 de maio de 2024.

Publicidade

O Observatório de CO2 no espaço encontra-se em funcionamento desde 2023, porque o que pode ser medido pode ser reduzido. Até agora, sempre se afirmou que o CO2 não podia ser visto, cheirado, provado, ouvido ou mesmo tocado. O Centro de Voos Espaciais Goddard da NASA, nos EUA, tem a maior coleção de geocientistas do planeta. A sua missão consiste em visualizar o CO2 e ser uma fonte fiável de informação ambiental abrangente sobre o atual e futuro estado da Terra. Os cientistas da NASA concebem, constroem, lançam e operam missões, incluindo satélites, para compreender como funciona a nossa Terra e para prever como esta irá mudar no futuro.

Para explorar a Terra a partir da perspetiva única do Espaço, o departamento de Ciências da Terra desenvolve e opera satélites e instrumentos de deteção remota. Analisa os dados de observação destas naves espaciais e coloca-os à disposição dos profissionais do jornalismo interessados na crise climática.

O Observatório Orbital do Carbono, 2 (OCO-2) da NASA fornece o conjunto de dados mais completo para o rastreio da concentração de dióxido de carbono atmosférico (CO₂), o principal fator das alterações climáticas. Todos os dias, o OCO-2 mede a luz solar reflectida pela superfície da Terra para determinar o rácio médio de mistura de CO₂ no ar seco e fornece cerca de 100.000 observações sem nuvens. Apesar destes avanços, existem muitas lacunas nos dados do OCO-2 em locais onde não há luz solar ou onde as nuvens ou aerossóis são demasiado densos para obter dados de CO₂. Para colmatar estas lacunas e fornecer um produto espacialmente completo aos utilizadores científicos e de aplicações, os dados do OCO-2 serão integrados no Sistema Goddard de Observação da Terra (GEOS) da NASA, um sistema complexo de modelação e assimilação de dados utilizado para estudar o tempo e o clima da Terra.

O GEOS também assenta em observações por satélite da iluminação nocturna e do verde da vegetação, bem como em cerca de um milhão de observações meteorológicas recolhidas a cada hora. Estes dados ajudam os cientistas a obter rácios de mistura de CO2, mesmo na ausência de observações directas do OCO-2, e fornecem informações adicionais sobre a altura das plumas de CO₂ que o satélite não consegue ver. Juntos, o OCO-2 e o GEOS fornecem uma das imagens mais completas do CO₂ na nossa atmosfera.

A afirmação de que o CO₂ não pode ser visto ou medido pertence agora ao passado. Porque o CO₂ pode ser medido. A pegada de CO₂ de cada país, de cada empresa e de cada cidadão do mundo pode não só ser medida, como também reduzida.

Uwe Heitkamp (64)

jornalista de televisão formado, autor de livros e botânico por hobby, pai de dois filhos adultos, conhece Portugal há 30 anos, fundador da ECO123.
Traduções: Dina Adão, John Elliot, Patrícia Lara
Photos:NASA

Check Also

“Este é um trabalho de todos”
Continuação da semana passada

Sábado, dia  22 de junho de 2024. Continuação da entrevista da semana passada: Eco123: Existem …