Sexta-feira, Julho 3, 2020
pt-ptende
Home | ZW1 | Viver a vida de uma forma diferente?

Viver a vida de uma forma diferente?

Verificação é o termo atribuido a todas as medidas que servem, por exemplo, para controlar o cumprimento da redução da concentração de dióxido de carbono na atmosfera terrestre, acordada na conferência internacional da ONU de Paris em 2015, a fim de limitar ou reduzir o efeito de estufa na atmosfera. Aborrecido? E ainda vai ficar melhor.

Os meios de verificação são sistemas técnicos como a monitorização por satélite, a rede mundial de Global Atmosphere Watch (GAW), que dispõe de estações meteorológicas e de observação como o vulcão Mauna Loa (Hawaii), a uma altitude de 4.000 m, que regista continuamente concentrações de CO2 desde 1957, e inspecções. E agora?

As estações de observação recolhem dados sobre substâncias relevantes para o clima na atmosfera. Em relação ao efeito de estufa e ao ciclo do carbono, é registada uma curva de medição. O termo verificação refere-se, assim, à prova da autenticidade de uma declaração ou acordo (contrato) enquanto tal.

Esta semana as boas notícias chegam do Reino Unido, de Milão e Torres Vedras. Torres Vedras? Comecemos pela história que nos é mais próxima. Talvez as notícias do Centro de Portugal sejam tão importantes porque poderiam ter lugar em qualquer parte do mundo: especialmente em muitos outros municípios portugueses, mas especialmente em Lisboa. Este ano, a cidade chama-se CAPITAL VERDE EUROPEIA e, no entanto, permanece simplesmente cinzenta. Torres Vedras representa algo de positivo, o que causa pouca excitação se tivermos em linha de conta que as medidas parecem tão espectacularmente simples.

É inaugurada uma ciclovia. Doze quilómetros constitudem a primeira parte do trilho. Este foi utilizado pela primeira vez pelo Presidente da Câmara, Carlos Bernardes. Um Secretário de Estado com uma máscara facial marca presença na inauguração, tal como o presidente da Federação Portuguesa de Ciclistas. Conduz um pouco à frente de todos os outros cidadãos para posar para a fotografia de imprensa e, a partir de agora, qualquer cidadão pode ir passara ir trabalhar em segurança de bicicleta, em vez de carro. O que é que falta ainda? Milão. Em breve, 35 km de estradas serão convertidos em ciclovias. Marco Granelli, VicePrefeito, diz à ECO123: “Há anos que trabalhamos para reduzir o tráfego automóvel. Mas se todos conduzem um carro, não há lugar para as pessoas. Não há espaço para mudanças. Não há lugar para actividades fora das lojas.“

Questionado sobre o período pós-Covid-19, enfatiza: “É claro que queremos pôr a economia a funcionar novamente. Mas pensamos que o devemos fazer numa base diferente do que acontecia anteriormente. Penso que, em Milão, precisamos de nos reinventar na presente situação, de nos prepararmos. É por isso que é tão importante defender a nossa economia local: para apoiar os nossos cafés, artesãos e restaurantes. Quando a Corona acabar, as cidades que ainda têm a sua economia local terão uma vantagem. Milão quer entrar nesta categoria.”

Grandes notícias chegam também da Grã-Bretanha. O antigo reino dependente do carvão encerrou em abril todas as suas centrais elétricas a carvão, tendo esta parte da sua produção de eletricidade sido assumida por parques eólicos offshore no Mar do Norte. Além disso, a procura de eletricidade diminuiu 20% em maio.

Cá está. Um terço da eletricidade de Inglaterra provém de centrais eléctricas alimentadas a gás, e já um quarto tem origem na energia eólica offshore. Esta foi a primeira vez, desde o estabelecimento do fornecimento público de eletricidade em 1892, que a Grã-Bretanha conseguiu prescindir da produção de eletricidade a partir do carvão. Há apenas cinco anos, o carvão representava 25% da eletricidade produzida. Desde então, este número reduziu-se e isso deve-se ao preço das emissões de CO2. Desde abril de 2015, o chamado “Carbon Price Support” tem sido de 18 libras por tonelada de CO2 emitida. O imposto sobre o CO2 é acrescentado às licenças de emissão da UE. Consequentemente, a produção de eletricidade a partir do carvão tem vindo a tornar-se cada vez menos rentável. Se o Reino Unido também substituísse as suas 15 centrais nucleares por energias renováveis, a produção de eletricidade seria uma questão bem fundamentada.

Menos é mais.
Voltemos à pequena questão da verificação. Só preservaremos este nosso mundo se deixarmos de queimar carvão, gás e petróleo, alimentos do efeito de estufa. Verdade? Mas, para isso, cada um de nós na Europa e no mundo tem de reduzir as emissões de CO2 em 7,5%/ano. Este é um processo de aprendizagem que começa com cada um de nós.

Quando aprendemos a deitar fora menos 7,5% de resíduos por ano, começamos a assumir a responsabilidade pelo nosso próprio mundo sustentável e a apreciar o valor do espaço que nos rodeia. Nesta temática, talvez valha a pena analisar de perto a ECO123 e o projecto KYOTO. Em https://kyoto.eco123.info pude aprender muito sobre gestão ambiental responsável, porque a minha conta online é o meu próprio espelho. Medir e conhecer a sua própria pegada de CO2 é o objectivo deste laboratório online, que oferece a publicação exclusivamente aos assinantes da revista. Poderá ler como encara o vencedor do teste do ano passado os seus próprios resultados na próxima edição da nova ECO123, que será publicada no início de Verão. Poderá verificar exactamente quanto CO2 os candidatos do teste emitem por ano com o seu estilo de vida. Quem quer tornar-se um herói ambiental?

Agora ou nunca.
Até hoje dificilmente havíamos tido uma melhor oportunidade de tornar o nosso mundo mais verde. O Covid-19 mostrou-nos invulgares benefícios ambientais: ar limpo, emissões de carbono mais baixas, um pulmão de ar para a vida selvagem.

Agora a questão é: podemos aproveitar o momento agora? Uma coisa já sabemos: apenas juntos poderemos resolver a crise climática. Cada um de nós tem a capacidade de fazer a diferença para melhor. O KYOTO vê-se a si próprio como um ajudante num momento em que é importante encontrar uma orientação melhor. Se queremos viver de forma neutra do ponto de vista climático, como podemos medir a nossa pegada? Com uma régua? Com o smartphone? Com a calculadora?

Que instrumento devo utilizar para medir a pegada de CO2? KYOTO é a primeira ferramenta ao alcance de cada um de nós para dar um passo nesta direção. Dez minutos é o tempo necessário para lá chegar, uma vez por semana. Existem três questionários online, pelo que também pode responder a algumas perguntas. A primeira pergunta é: estarei eu pronto para mudar o meu mundo? Os que respondem em concordância já se encontram em movimento. Quem embarque nesta viagem deixará o carro para trás e irá de bicicleta para a escola, para o trabalho, ou mesmo de autocarro ou a pé… Nesta viagem, encontrará a sua conta de eletricidade e ficará a saber que as fontes do seu consumo podem muito bem tornar-se mais baratas. A eletricidade da central elétrica a carvão não só está suja, como se torna cada vez mais cara. É assim que KYOTO se torna o seu companheiro de viagem.

A viagem para si próprio?
Neste sentido, o primeiro passo é sempre o mais importante. Este passo é a verificação (lá está, mais uma vez, esta palavra) da altura da sua própria pegada. Quer saber quantos kg de CO2 passam pelo seu escape e chaminé numa semana? Se as suas ações forem tomadas em equilíbrio com o meio-ambiente, conhecerá os segredos da vida. Tal viagem é sempre emocionante, e realiza-se sem carvão, gás ou petróleo, apenas com energias renováveis.

Vemo-nos no próximo sábado. Tenha um bom fim-de-semana.

O seu,
Theobald Tiger

Kyoto Form para Download

Check Also

Dr. Per Espen Stoknes

O clima, um assunto para toda a vida

Quando comportamento e pensamento não são coerentes, acontece aquilo que é chamado de dissonância cognitiva. …

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.