Sábado, Fevereiro 29, 2020
pt-ptende
Inicio | Portugal | Entrevistas (page 10)

Entrevistas

aldeia da pedralva

Desbravar caminho com inovação

António Ferreira é o empresário responsável pelo projecto turístico da Aldeia da Pedralva. Após doze anos a trabalhar em publicidade e planeamento estratégico, e estando um pouco “saturado daquele mundo desinteressante e de vender coisas que não eram precisas”, decidiu dar novo rumo à sua vida. Já conhecedor da região e do seu potencial turístico, ao visitar a Aldeia da Pedralva descobriu a oportunidade que procurava. Formou uma sociedade com quatro amigos, e avançaram com o projecto. E, como diz, “ainda aqui estamos”. ECO123:O que considera que são as mais-valias da recuperação inerente ao projecto da Aldeia da Pedralva? António …

Leia mais »
zona velha funchal

Projectar acções reais

Gil da Silva Canha é vereador na Câmara Municipal do Funchal com o pelouro das várias vertentes do Urbanismo, tutelando directamente este e outros projectos. ECO123: Como avalia o projecto de recuperação do Núcleo Histórico de Santa Maria? Gil da Silva Canha: Acho que fracassou, porque a recuperação de um núcleo histórico exige um plano geral de acção, e até hoje nunca foi feito um plano dessa natureza. O que se fez foram certas medidas avulsas pontuais.

Leia mais »
Fabrik der Alternativen

Ensinar a querer fazer

João Pestana é técnico de comunicação e informação aeronáutica. Após vinte anos a trabalhar nos Açores, regressou a Lisboa em 2011, envolvendo-se em diversos movimentos políticos, e acções de protesto, de cidadãos. Afirma-se como alguém “que não consegue estar parado”, e convicto da necessidade de mudança social. Foi um dos impulsionadores da Assembleia Popular de Algés (1), e participa na gestão comunitária de um dos projectos desta – a Fábrica de Alternativas. ECO123: Como surgiu a iniciativa da Fábrica de Alternativas? João Pestana: Nasceu da Assembleia Popular de Algés, que começou em Maio de 2013. E foi-se andando, até que chegou …

Leia mais »
logo_afpop

Uma ligação valiosa entre os expatriados e a sociedade portuguesa

Nos anos setenta e oitenta do século vinte, o número de estrangeiros que compravam casas ou terrenos para construção, em Portugal, com especial incidência no Algarve, era elevado. E sofriam na pele a desregrada burocracia lusitana, a variar de concelho para concelho. Para piorar a situação, muitos estrangeiros não viviam aqui a tempo inteiro, não se apercebendo das contínuas mudanças que a legislação sofria. Em 1987, foi fundada uma associação de proprietários estrangeiros em Portugal, a AFPOP – Associação de Proprietários Estrangeiros em Portugal, que funcionava como uma espécie de centro de ajuda mútua, em regime de voluntariado e com …

Leia mais »
Entrevista Pedro Viterbo

Estudar o globo, influenciar a comunidade

A ECO123 conversou no IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (1) com o Dr. Pedro Viterbo, membro do IPCC – Painel Internacional para as Alterações Climáticas (2), para saber mais detalhes do relatório do IPCC e suas conclusões. Questionámos também o papel do IPCC nas decisões dos governos, procurando saber as acções a tomar para criar sustentabilidade entre a economia e a ecologia sem hipotecar o futuro das novas gerações. ECO123: O que é o IPCC? Pedro Viterbo: O IPCC é um painel que foi criado pelas Nações Unidas, que neste momento está sediado com a Organização …

Leia mais »
O Sapateiro

Redescobrir o passado de uma profissão com futuro.

O Sapateiro Os sapatos são tão antigos como a necessidade de proteger os pés das adversidades do clima e do território em que se habita. Desta necessidade nasceu a profissão de Sapateiro. Estima-se que o sapato encontrado na Arménia, em 2008, por um grupo de cientistas da Universidade de Cork (Irlanda) tenha cerca de 5500 anos. Apesar de se atribuir aos egípcios a arte de fabricar sapatos, existem evidências nas pinturas paleolíticas encontradas em cavernas no sul de França, que a sua história remonta a 10 000 a.C.. Conforme “reza a lenda”, foi por volta do ano 280, por intermédio …

Leia mais »
José Eduardo

José Eduardo

José Eduardo, 55 anos; Mecânico, caçador e agricultor ECO123: O que podemos fazer para evitar incêndios florestais em Portugal? Primeiro que tudo é a prevenção, a limpeza das matas. Não estou em desacordo com o que se gasta, incluindo os militares. Isso é tudo muito útil mas acho que há muito dinheiro gasto nessas coisas. A mesma quantidade de dinheiro deveria assegurar uma prevenção muito grande em limpezas, em aceiros, cortando grandes faixas de 20, 30 metros de mato em pequenas zonas e, mesmo que não fosse na totalidade, nas propriedades. Seria uma das primeiras prevenções que faria se o …

Leia mais »
Fernando Castelo

Fernando Castelo

ECO123: What is needed in order not to have forest fires in Portugal in 2014? Fernando Castelo, former chief of the voluntary fire-fighters of Portimão, in the senior officers reserve, responded: More inspection activity is needed, for example in the case of burning and clearing the land, and penalising those people who do not comply with the law. T his is the work of the security forces, especially the GNR, but there should be a role involving more intervention by the fire brigades, through a change in the law. There should also be information and training campaigns carried out among …

Leia mais »
O mercado ao serviço das pessoas

O mercado ao serviço das pessoas?

A ECO123 esteve presente no Encontro Internacional das Comissões de Economia de Comunhão, que decorreu entre 18 e 20 de Outubro, na Abrigada. Durante os pequenos intervalos, foi possível realizar breves entrevistas a dois destacados participantes, procurando conhecer melhor o significado e as motivações da iniciativa. Deste modo, a ECO123 falou um pouco com Luigino Bruni, responsável internacional da Economia de Comunhão e professor na Universidade de Florença, e com António Faria, sócio-gerente do Grupo Faria & Irmão, Lda. (uma das empresas que em Portugal participa no projecto de Economia de Comunhão).

Leia mais »
transporte de eucaliptus

Condutor de Camião

ECO123: Queremos saber um bocadinho mais sobre o vosso trabalho. Transporta eucalipto? Condutor: Sim. O eucalipto vai agora para a fábrica em Setúbal? Estes aqui vão para Setúbal. Para fazer o quê? Aquilo ali é para celulose, pasta de papel, papel. Quanto dinheiro receberá por uma tonelada? Uma tonelada para o produtor? Sim. 42, 43 euros. Na fábrica. A fábrica paga. Paga, posto lá. E você aqui transporta quantas toneladas. Conforme a madeira. O máximo da viatura são 30 toneladas. A mata de eucaliptos paga-se bem? Aqui e agora, a celulose está mais ou menos. Ainda vai pagando. Por exemplo, …

Leia mais »