Segunda-feira, Maio 27, 2019
pt-ptende
Inicio | Opinião

Opinião

Última Palavra

Um exemplo para todos nós

Os dinossauros que já não existem Já não estão connosco, é verdade, mas têm acompanhado grande parte da minha vida. Refiro-me aos dinossauros, extintos há milhões de anos e que podem ser um exemplo para todos nós. Quando olhamos para o passado feito com eles, podemos também olhar, de certa forma, para o futuro. Que deve ser feito por nós. Lembro-me de que quando era criança, pelos tempos do cubo mágico apareceu também uma pequena maravilha com um nome para mim esquisito: Kalkitos. Os Kalkitos eram tiras de papelão com um cenário num dos lados. Aí podia-se colar diversos elementos …

Leia mais »
Cumuluswolken

Estamos no Ar!!! (On Air!!!)

A atmosfera, como a pele de qualquer organismo, protege e nutre este planeta vivo. Protege das radiações cósmicas, a que a vida é muito sensível; regula a temperatura à superfície, através do efeito de estufa; permite a circulação de nutrientes e outros elementos naturais; participa do sistema de circulação de água; e é a camada onde nós e muitos outros seres vivos habitam, se desenvolvem, reproduzem e evoluem. Assim de repente, a atmosfera já não é algo que fica lá em cima ou lá fora, mas é o meio que nos mantem vivos. “Vamos brincar lá fora” é uma expressão …

Leia mais »
Enraizar na “Soloção”

Enraizar na “Soloção”

O solo, de acordo com o dicionário Priberam, é definido como: “i) porção de superfície terrestre (chão, terra); ii) revestimento sobre o qual se anda (chão, pavimento); iii) parte superficial da terra que se pode cultivar ou onde podem crescer plantas; iv) terreno.” Tendo formação em biologia, considero que o solo é o tecido conjuntivo desta pele planetária. Desta forma, a definição de solo morto encontrada no Priberam deveria dar lugar a uma outra que expressa um solo vivo, ecossistema fundamental à vida e do qual provimos, nos alimentamos e ao qual voltamos. O solo pode ser um dos bens …

Leia mais »
Vamos dizer “não” à GALP?

Vamos dizer “não” à GALP?

Há muito tempo, quando reinavam outras culturas, a terra era sagrada. Esburacá-la era tabu. O carvão, os minérios e outros recursos naturais eram vistos como órgãos da Mãe Terra. Eram adorados, não se tirava mais do que se podia retribuir, e as pessoas viviam num ciclo de crescimento e declínio, e por isso num mundo com abundância, onde tudo tinha o seu lugar. Quando o tabu caiu, começou-se a transformar o metal em moedas, armas, ferramentas e máquinas, e com o carvão e o petróleo deu-se andamento a um sistema que se pode descrever com uma pequena palavra: mais. Todos …

Leia mais »
Última Palavra

Aprender a amar

Se o amor é o sentido último do Universo, então deveríamos finalmente investir na aprendizagem do amor. Sim, verdadeiramente aprender! Certamente que nascemos todos com um coração que tem todas as potencialidades necessárias para o amor. Mas também nascemos com dez dedos ágeis, o que ainda não faz de nós virtuosos ao piano. Antes pelo contrário: para além da nossa capacidade de amar na escola não ser fomentada, ela até nos é retirada sistematicamente, logo desde a escola primária. A minha história serve meramente de exemplo. O jardim de infância foi um verdadeiro horror. De repente estava entre estranhos, longe …

Leia mais »
Última Palavra

A última palavra

Caminhar na Natureza é um dos exercícios físicos mais simples que temos ao nosso dispor. Os nossos músculos e o nosso sistema nervoso são incrivelmente aliviados por esse movimento há tanto tempo praticado pela nossa espécie. Andar a pé é um exercício primordial caído no esquecimento. Quando nos erguemos e tornámos bípedes, tivemos a necessidade de usar mais movimento em espiral para apoiar o andar, a fala, e evitar a queda desta “torre gregária”. Comparativamente a um cão, temos muito mais músculos para rodar o nosso corpo. O grupo muscular do manguito rotador adora o balançar rítmico do caminhar e …

Leia mais »
Última Palavra

Pedrógão Grande

Relembrar. O que iremos relembrar do fim de semana de 17 e 18 de junho de 2017 daqui a um ano, daqui a dois anos, daqui a dez anos, ou seja, em 2027? O que iremos mudar nas nossas vidas nesse espaço de tempo e o que iremos querer perante as horríveis imagens e as muitas vítimas dos incêndios florestais? Porque até hoje o que ardia todos os anos era a floresta, a fauna, a Natureza – e essas, como sabemos, não conseguem falar. A Natureza não tem lobby. Qual será a próxima questão? Qual será o próximo tema? A …

Leia mais »
Antonio Veiga

Viver com dignidade – a que preço?

Rendimento Básico Incondicional é uma prestação atribuída a cada cidadão, independentemente da sua situação financeira, familiar ou profissional, e suficiente para permitir uma vida com dignidade. Refleti sobre este tema com alguma perplexidade, pois o Rendimento Básico Incondicional parece-me irrealista. Apesar disso, o assunto não deixa de ser um ponto de partida interessante para dar uma vista de olhos sobre a nossa vida em sociedade. Há um objetivo meritório na conceção deste rendimento que é o de procurar permitir uma vida com dignidade para todos. Socialmente é algo desejável. Mas a sua universalidade, dentro de uma sociedade, faz-me pensar um …

Leia mais »
Pedro Ferrão

O preço de viver com (in)dignidade

O Rendimento Básico Incondicional propõe-nos simplesmente o seguinte: viver com dignidade não tem preço. Não pode haver desculpa financeira alguma para que um quinto da população viva no limiar da pobreza, dos quais muitas centenas de milhares são realmente pobres, e que muitos vejam a sua condição mudar sem aviso. Sem bens e serviços essenciais e sem réstia de poder. Não pode haver desculpa financeira, política ou qualquer outra. Simplesmente é necessário dividir de forma mais equitativa, aliás, tão equitativamente quanto necessário, e é incompreensível que um país o não consiga fazer. Por isso, não posso acreditar no amor declarado …

Leia mais »
Última Palavra

O rugido do Leão!

Este outono, irá novamente haver eleições na minha aldeia para a escolha do Presidente da Câmara. Há quase sete anos (4+3) que a oposição está num estado de hibernação. Chegada a hora das eleições, acordou. Já nem estava a contar com o despertar dela, de tão profundo sono. Quem quer que governe uma aldeia, não tem a vida fácil com uma oposição sonolenta e desaparecida. Quando ouvi que pretendiam voltar à luta, enfrentando o Presidente da Câmara, fui à Assembleia Municipal. A sala do plenário estava completamente lotada. Às 21h30 estavam presentes oito membros socialistas (PS), um comunista (CDU) e …

Leia mais »