Quarta-feira, Junho 20, 2018
pt-ptende
Inicio | Opinião

Opinião

Aprender a amar

Aprender a amar

Se o amor é o sentido último do Universo, então deveríamos finalmente investir na aprendizagem do amor. Sim, verdadeiramente aprender! Certamente que nascemos todos com um coração que tem todas as potencialidades necessárias para o amor. Mas também nascemos com dez dedos ágeis, o que ainda não faz de nós virtuosos ao piano. Antes pelo contrário: para além da nossa capacidade de amar na escola não ser fomentada, ela até nos é retirada sistematicamente, logo desde a escola primária. A minha história serve meramente de exemplo. O jardim de infância foi um verdadeiro horror. De repente estava entre estranhos, longe …

Leia mais »
Aprender a amar

A última palavra

Caminhar na Natureza é um dos exercícios físicos mais simples que temos ao nosso dispor. Os nossos músculos e o nosso sistema nervoso são incrivelmente aliviados por esse movimento há tanto tempo praticado pela nossa espécie. Andar a pé é um exercício primordial caído no esquecimento. Quando nos erguemos e tornámos bípedes, tivemos a necessidade de usar mais movimento em espiral para apoiar o andar, a fala, e evitar a queda desta “torre gregária”. Comparativamente a um cão, temos muito mais músculos para rodar o nosso corpo. O grupo muscular do manguito rotador adora o balançar rítmico do caminhar e …

Leia mais »
Aprender a amar

Pedrógão Grande

Relembrar. O que iremos relembrar do fim de semana de 17 e 18 de junho de 2017 daqui a um ano, daqui a dois anos, daqui a dez anos, ou seja, em 2027? O que iremos mudar nas nossas vidas nesse espaço de tempo e o que iremos querer perante as horríveis imagens e as muitas vítimas dos incêndios florestais? Porque até hoje o que ardia todos os anos era a floresta, a fauna, a Natureza – e essas, como sabemos, não conseguem falar. A Natureza não tem lobby. Qual será a próxima questão? Qual será o próximo tema? A …

Leia mais »
Antonio Veiga

Viver com dignidade – a que preço?

Rendimento Básico Incondicional é uma prestação atribuída a cada cidadão, independentemente da sua situação financeira, familiar ou profissional, e suficiente para permitir uma vida com dignidade. Refleti sobre este tema com alguma perplexidade, pois o Rendimento Básico Incondicional parece-me irrealista. Apesar disso, o assunto não deixa de ser um ponto de partida interessante para dar uma vista de olhos sobre a nossa vida em sociedade. Há um objetivo meritório na conceção deste rendimento que é o de procurar permitir uma vida com dignidade para todos. Socialmente é algo desejável. Mas a sua universalidade, dentro de uma sociedade, faz-me pensar um …

Leia mais »
Pedro Ferrão

O preço de viver com (in)dignidade

O Rendimento Básico Incondicional propõe-nos simplesmente o seguinte: viver com dignidade não tem preço. Não pode haver desculpa financeira alguma para que um quinto da população viva no limiar da pobreza, dos quais muitas centenas de milhares são realmente pobres, e que muitos vejam a sua condição mudar sem aviso. Sem bens e serviços essenciais e sem réstia de poder. Não pode haver desculpa financeira, política ou qualquer outra. Simplesmente é necessário dividir de forma mais equitativa, aliás, tão equitativamente quanto necessário, e é incompreensível que um país o não consiga fazer. Por isso, não posso acreditar no amor declarado …

Leia mais »
Aprender a amar

O rugido do Leão!

Este outono, irá novamente haver eleições na minha aldeia para a escolha do Presidente da Câmara. Há quase sete anos (4+3) que a oposição está num estado de hibernação. Chegada a hora das eleições, acordou. Já nem estava a contar com o despertar dela, de tão profundo sono. Quem quer que governe uma aldeia, não tem a vida fácil com uma oposição sonolenta e desaparecida. Quando ouvi que pretendiam voltar à luta, enfrentando o Presidente da Câmara, fui à Assembleia Municipal. A sala do plenário estava completamente lotada. Às 21h30 estavam presentes oito membros socialistas (PS), um comunista (CDU) e …

Leia mais »
Aprender a amar

Quioto. Paris. Marraquexe.

Se quisermos proporcionar às gerações futuras uma vida minimamente boa, iremos necessitar com brevidade de um sistema fiscal novo e moderno que possibilite uma vida sustentável. Tem que ser fácil de compreender e mais justo do que o atual, promover uma atitude ecológica e tornar a exploração excessiva de recursos naturais pouco atrativa. Tem que ter como meta conjugar a proteção do meio ambiente e a justiça social. Isso poderia ser possível se cada cidadão recebesse uma conta fiscal com um saldo para a vida sustentável. E funcionaria da seguinte forma: no dia 1 de janeiro de cada ano creditar-se-ia …

Leia mais »
Aprender a amar

O que é ser ECO?

ECO é a busca do sentido das coisas. É este o simples assunto que a Volkswagen AG se deveria colocar no momento da crise mais profunda da sua história, em que o pensamento e a forma de agir lineares destroem a economia. As coisas não podem continuar assim infinitamente. Provavelmente, o reconhecimento deste facto irá custar o emprego a milhões de pessoas. E as multas de milhões de euros também não conseguem esconder que todo o setor automóvel se encontra num beco sem saída, e há problemas por resolver. Pagam-se as multas, e depois? Esse dinheiro poderia ser investido de …

Leia mais »

O mundo no antropoceno*

Quando uma pessoa define a cultura como algo único criado pelo Homem, esbarra na sua retrospetiva, em primeiro lugar, na agricultura. Aquilo que as pessoas encontraram durante o seu desenvolvimento na Terra, foi uma natureza paradisíaca, mas selvagem, que era encantadora, mas da qual ainda têm medo, até hoje. A sua cultura exige, por isso, sedentariedade nas cidades e talvez o turismo tenha nascido, com o decurso dos anos, porque as pessoas continuam a ter inscrito nos genes o nomadismo, o Viajar – ainda que apenas por pouco tempo no ano. As comunidades tornaram-se aldeias, depois cidades e, desde a …

Leia mais »
Aprender a amar

O que é ser ECO?

A palavra vem de muito longe, mas para nós que a olhamos de perto, podemos dizer que o conceito só se popularizou nos anos sessenta do século XX, quando os jovens deixaram os cabelos descerem até à cintura, e vibraram o slogan de que só o natural seria bom. Make Love not War era então uma sigla universal, e a ideia de que se nos abandonássemos à Natureza iríamos ser salvos, afigurava-se um sonho alcançável. Um belo sonho que foi mentira. Bem pelo contrário, a civilização acelerou o confronto com a natureza, manteve em alta os conflitos humanos, e ECO …

Leia mais »